Aluno Illuminare

Não poderia faltar um espaço exclusivo para aquele que é a razão de viver desta escola.

Aqui você vai conhecer o que vai pelos corações e mentes dos nossos jovens. As melhores redações estão aqui, com a aprovação de seus respectivos autores, é claro. Também estão por aqui algumas ideias brilhantes, alguns poemas especiais, alguns trabalhos destaque e um pouco de tudo que povoa as cabeças dessa turminha incrível que está sempre presente no Colégio Illuminare.

Destacam-se Academicamente

 foto+1 (2)foto+2

“Algumas transformações demoram longo tempo para se concretizar. Mérito de um persistente trabalho conosco, controlando nossos sentimentos, gerenciando atitudes e a cada dia aprendendo a nos amar, a nos aceitar.”

                                                                                                                                 Transformações                                                                                                                                                                                         Sarah Marcondes Lapenna

     Sarah é ex-aluna do Colégio Illuminare. Começou a participar de concursos literários em 2007. Ganhou em 1º lugar um concurso sobre o meio ambiente no jornal local em Sousas.
Em 2011 teve um conto e uma poesia publicados na Antologia da Editora Taba Cultural e este ano, 2016, ela compartilha conosco mais uma conquista: seus textos publicados no livro Contemporâneos 2016 da mesma editora.

Desejamos sucesso!

 

Literatura

  • Parabenizamos o aluno  Jorge Marcello Cavalcantti Domingues pelo sucesso na prova realizada em agosto na Escola Preparatória de Cadetes do Ar. Jorge foi aprovado nas disciplinas de português, inglês e matemática, aguardando os testes de aptidão física, psicológico e médico.

Desejamos ao Jorge boa sorte na sua nova caminhada.

  • Aluna do Colégio Illuminare tem a redação selecionada para a segunda fase do concurso EPTV na Escola

Os alunos do 9º ano do Colégio Illuminare participaram do EPTV na Escola com redações que abordaram o tema “Viver. Você tem medo de quê?” refletindo os medos enfrentados no dia a dia do adolescente, como o medo de ser rejeitado, a escolha da profissão e de que algo pode não dar certo, entre outros.

Selecionados e enviados alguns textos dos alunos que mostraram interesse na participação do concurso, tivemos a alegria de a aluna Anna Beatriz Bighetti Pereira ser classificada para a segunda fase com direito a uma visita às dependências da EPTV no dia 17/9.

Desde as 8 horas desse dia, junto de outros classificados das demais escolas particulares, com direito a café da manhã, a aluna conheceu os estúdios de gravação dos diversos programas e como se dá o trabalho nos bastidores.

A redação, onde são preparadas as matérias desde o início até a edição final, foi ponto alto da visita e o local onde se faz o controle da transmissão de sinal chamou atenção pela técnica e equipamentos.

Com o almoço, um passeio no shopping e até cinema, a visita acabou como começou: animada.

Destacam-se nos Esportes

vitoriaVitória cresceu brincando em quadras de tênis, pois estava sempre ao lado do pai que é professor de tênis.

Aos 9 anos começou a jogar profissionalmente e foi vice campeã do maior torneio de Campinas, Raquete de Ouro. Aos 10 anos filiou-se a Federação Paulista de Tênis e participou de 15 jogos obtendo 8 títulos de vice campeã  e 5 de campeã, conquistando o 2º lugar no Ranking Paulista.

Em julho de 2013, participou do maior torneio Brasileiro de tênis, em Brasília e foi vice campeã de duplas.

Vitória tem muito potencial e a partir de 2013 representa a Sociedade Hípica de Campinas, onde seu trabalho é muito valorizado pela equipe toda.

Os pais de Vitória ressaltam que a vida de atleta no Brasil não é fácil, pois o patrocínio é totalmente mantido pela família. Seu pai e treinador afirma que o esporte exige muito da atleta que cumpre uma média de 12h de treino semanal.

Na escola é uma aluna brilhante, dedicada e muito envolvida em todas as atividades.

Vitória cursa o 5º ano A no Colégio Illuminare onde estuda desde os 7 anos de idade.

Escola e família orgulhosas parabenizam e incentivam a grande promessa do tênis nacional.

Destacam-se nas Artes

Teatro

JuliaDesde pequena sempre gostou de teatro, vivia brincando de interpretar e pedia para seus pais que a matriculassem numa escola, mas só aos 10 anos conseguiu convencê-los.

Sua primeira experiência aconteceu aos seis anos na escola onde Julia estudava. Foi feita uma peça para apresentação na festa de fim de ano e ela adorou. Mas seu primeiro trabalho como profissional aconteceu aos 10 anos, com a peça Chapeuzinho Vermelho. No dia da estreia, Julia ficou muito nervosa, pois além de ser sua primeira apresentação oficial, sabia que toda a família estava lá. Julia confessa que até hoje se sente nervosa a cada vez que entra em cena, mas ressalva “depois me sinto ótima, adoro o que faço”.

Quando vai apresentar uma nova peça, tem ensaios de duas a três vezes por semana com todo o pessoal do elenco, e, além disso, necessita estudar o texto da peça diariamente e assistir DVD de apresentações anteriores para ajudar no desenvolvimento da apresentação do personagem. Como também trabalha como dubladora, passa algumas tardes no estúdio gravando.

Mas muito importante também é ser uma boa aluna e Julia explica o que faz para conseguir: gosta de prestar atenção nas explicações dos professores em sala de aula e depois faz leituras do conteúdo estudado para assimilar o que foi passado. Como no teatro não dá para “decorar” as falas, precisa-se entender o personagem para interpretá-lo, o mesmo acontece nos estudos, você só consegue boas notas se entender o que está estudando. Aproveita ao máximo o tempo na escola e os professores, não levando dúvidas para casa, tendo o estudo em dia, assim não precisa ficar estudando em véspera de provas.Com isso consegue conciliar as atividades da escola com o que gosta de fazer (teatro, dublagem, jazz, ginástica e vôlei).

Julia é aluna do 8º ano A do Colégio Illuminare e atua no teatro Sotac.

AndréO Aluno André Peralta do 9º Ano – 2009, obteve uma ótima colocação no Desafio ETAPA de Setembro de 2009 e seus pais Sra. Ruth Martins / Sr. Marcelo Peralta, enviaram o seguinte depoimento para ser publicado no website do colégio Illuminare.

” Os valores e virtudes de um colégio, não vêm dos resultados de testes, provas, vestibulinhos, medalhas e primeiros lugares e sim da capacidade de preparar seus alunos para a vida. O Colégio Illuminare preparou nosso filho para a vida, com conhecimento,
ética e moral. Agradecemos a ajuda para formá-lo.”

Assinam: Ruth Martins e Marcelo Peralta.

André foi um dos medalhistas no Desafio Etapa de Setembro de 2009. Ele é aluno do Colégio Illuminare desde o 1º Ano.

 

 

 

Relato Pessoal 
Relato pessoal produzido pela aluna Beatriz Antonieto Fernandes, do 8º ano.

 
O futuro nos espera
 
            Estava no Colégio Illuminare, em Sousas, no dia quatro de março de 2016, no começo da aula de Redação. Tinha quase 13 anos.
            Todos estavam nervosos, já que haveria uma prova de Redação com um tema desconhecido por nós e depois haveria outra prova; a de Geografia, sobre o socialismo.
            Quando a nossa professora, Renata, entregou o tema da redação, ficamos todos pensativos. “O estudo é meu trabalho. Serei eu um bom trabalhador?”. Essa é uma questão em que eu já pensara no ano passado, mas não achara uma resposta boa para começar a desenvolver o meu texto.
            Pude analisar a personalidade dos alunos naquele momento. Um aluno nem queria saber da proposta e outros estavam pensativos demasiadamente, tanto que eu acho que nem ouviam mais a Renata, que estava com uma blusa de manga comprida de um azul maravilhoso e que a deixou muito bonita.
            Comecei a pensar: “Sempre fui uma ótima aluna. Fui para a escola já sabendo ler e escrever.” Mas, na minha opinião, saber as coisas antes de todo mundo não me fez uma boa aluna.
            No meu ponto de vista, um bom aluno precisa “trabalhar” sua força de vontade, cumprir seus deveres e respeitar seus colegas, senão ele será reprimido em seu trabalho. No futuro, não haverá pais para receberem um “e-mail” alertando sobre o que seu filho não está fazendo.
            Então, o adulto deve esforçar-se ao máximo, cumprir, no prazo estabelecido, tudo o que é pedido pelo chefe furioso, atormentador e imponente.
            Quando me analiso, vejo que me falta paciência. Sinto-me como um mar furioso pronto para arrastar para a ilha todos os que quiserem “brincar” comigo. E isso é muito ruim.
            Em relação às tarefas escolares, está tudo certo, mas em casa tudo é mais difícil. Sou muito esquecida. Começo a pensar em tudo o que tenho que fazer no dia e não presto atenção no que minha avó diz. Isso precisa mudar para que eu me torne uma pessoa bem sucedida.
            Ainda estou em dúvida sobre o que eu quero ser. Não sei se faço biomedicina, para trabalhar com perícia criminal, antropologia, na área forense, estudos literários ou continuo como blogueira e web designer; minhas duas profissões atuais. Porém acredito que esta escola me fez melhor.
            Quando analisei meus colegas, com uma certa má vontade para produzir o texto, vi que muita coisa deve mudar no comportamento deles. Se nós mudarmos algumas de nossas atitudes, seremos ótimos trabalhadores. E que venha a prova de Geografia!
                       
 

Entram em Colégio Técnico

  • 2016

Artur de Souza Pera – Cotil, Cotuca e Etec
Caio  Ribeiro Folegatti – IFSP – Instituto Federal de Educação, Ciência e tecnologia de São Paulo
Helena Souza Lima – Etecap

  • 2013

Ana Harumi G. Suzuki –  Ana Lúcia D. M. Carvalho –  Mariane Romano

  • 2012

Pedro Gabriel – Cotuca e Etec Bento Quirino / Anna Flávia Cappelli – Etecap e Cotil / Renata Dias – Etec Bento Quirino / Letícia Carvalho – Etecap / Vitória Bazanelli – Etecap / Matheus Maino – Etecap

  • 2011

8º ano – Pedro Gabriel: treineiro, 6º lugar entre 300 candidatos em colégio técnico.

9º ano (concluintes do F2): alunos aguardando chamadas em colégios técnicos.